quarta-feira, 13 de junho de 2012

Insónia Alentejana


Insónia Alentejana

Pátria pequena, deixa-me dormir,
Um momento que seja,
No teu leito maior, térrea planura
Onde cabe o meu corpo e o meu tormento.
Nesta larga brancura
De restolhos, de cal e solidão,
E ao lado do sereno sofrimento
Dum sobreiro a sangrar,
Pode, talvez, um pobre coração
Bater e ao mesmo tempo descansar...

Miguel Torga

4 comentários:

Eduardo Vaz disse...

Bonito olhar Joaquim, parabéns.
O bom dos bicho ser cornudo e que nem precisa de almofada...lol

http://grande-angular.blogspot.pt/

Edu. Matos disse...

Bonito o poema e a fotografia também.
Cumprimentos

VENTANA DE FOTO disse...

Bela fotografia. Enquanto você descansa, o outro ainda está à procura de comida.
Poema de Nice para a sua foto.

cascarilleiro disse...

Buena la captura,muy bien encuadrada¡¡

Saludos.